Inicio do conteúdo site.
#empreendedorismo , Adalberto Piotto , Chico Bento , chineses , ciência , desenho , Franjinha , gibis , Maurício de Sousa , meio ambiente , Pensando o Brasil , Quadrinhos , Rio Tietê , sonho , turma da mônica , tv ciee

O Brasil em quadrinhos: entrevista com Mauricio de Sousa, escritor, desenhista, empresário

Os brasileiros adultos que hoje tomam decisões no país, seja no poder público ou nas empresas do setor privado, muito provavelmente leram os gibis da Turma da Mônica. Seus filhos também. Seus netos leem. Seus bisnetos lerão.

A Turma da Mônica é um fenômeno criado pelo desenhista, cartunista e escritor Mauricio de Sousa que parece não ter fronteiras de gerações, tamanha a empatia que construiu com o imaginário infanto-juvenil ao longo de décadas e que ainda gera uma relação de afeto recíproco entre público e autor. Nas bienais do livro pelo país, Mauricio provocava multidões em filas intermináveis para saraus e sessões de autógrafos.

Nesta entrevista ao “Pensando o Brasil com Adalberto Piotto”, pela TV CIEE, Mauricio foi perguntado justamente sobre isso, sobre como é saber que gerações de brasileiros leem os gibis e assistem aos desenhos nos canais infantis, além de consumir produtos com a imagem dos seus personagens, que frequentemente superam os grandes ícones da fantasia internacionais.

“É uma imensa responsabilidade”, disse ele. Aos 87 anos de idade, Mauricio não para de trabalhar, diz que trabalhou ainda mais durante a pandemia e que se sente revigorado com a vida porque trabalha com jovens que trazem novidades e que cada vez mais se envolvem com a ciência.

Aliás, ciência é tema da conversa quando ele fala sobre meio ambiente, de suas lembranças de férias na casa de uma tia que morava ao lado do rio Tietê em São Paulo, com “água limpa” – ele faz questão de frisar – e que também é tema de seu último livro “Sou um rio”, recentemente lançado. Diz que vai divulgar ainda mais a ciência às crianças e que seu personagem Franjinha será o interlocutor desta narrativa.

No bate-papo, Mauricio de Sousa ainda contou sobre suas inspirações nos gibis de sua infância, o “não” quase traumático que levou quando tentou vender seus primeiros desenhos à empresa Folha da Manhã, seu trabalho como revisor do jornal, repórter policial e como seu sonho lhe fez ser um empreendedor de sucesso.

Fala também de Chico Bento, de o quanto o personagem é querido pelos chineses e até dos latidos do Bidu, durante a gravação em sua casa.
#PEnsandooBrasil