Inicio do conteúdo site.
Ana Regina Noto, Carina Emy Kagohara, Luiz Carlos Mariano Souza, Tatiana Amato e Carla Zuquetto, equipe do projeto
Ana Regina Noto, Carina Emy Kagohara, Luiz Carlos Mariano Souza, Tatiana Amato e Carla Zuquetto, equipe do projeto / Divulgação CIEE

Projeto “Prevenção do Uso de Drogas nas Escolas” tem cerimônia de encerramento em São Paulo

19 de novembro de 2019
Com apoio do CIEE, a edição 2019 teve quatros escolas beneficiadas e mais de cinco mil alunos da rede pública impactados

Professores e gestores da rede pública estadual de São Paulo participaram, na manhã de 18 de novembro, do encerramento da edição 2019 do programa Prevenção do Uso de Drogas nas Escolas.

Apoiado pelo CIEE, o projeto tem como objetivo capacitar administradores e docentes sobre prevenção ao uso de álcool e outras drogas para, principalmente, gerar empatia e reduzir a vulnerabilidade, de acordo com a realidade de cada escola. Neste ano, 16 instituições foram selecionadas para o programa, que ainda está em fase piloto.

Das escolas selecionadas, quatro seguiram com as diretrizes propostas e receberam o treinamento e acompanhamento do programa. São elas: EE Isaltino de Mello, EE Dogival Barros Gomes, EE João Amós Comenius e Ibrahim Nobre, todos sob a jurisdição da Diretoria de Ensino Sul 1. Durante o processo, cada instituição foi encorajada a desenvolver projetos e ações pertinentes às suas realidades. No total, 85 professores foram capacitados, e uma estimativa de 5400 alunos impactados, direta ou indiretamente – uma média de 240 alunos a cada cinco professores. 

A abertura ficou a cargo de Tatiana Amato, Doutora e Mestre pelo Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e psicóloga pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), e a psicóloga e pedagoga Carla Zuquetto, terapeuta analítico-comportamental de adolescentes, jovens e adultos, que atuaram diretamente na capacitação, treinamento e acompanhamento do corpo docente.

Em seguida, os professores apresentaram o desenvolvimento do programa e os resultados obtidos. Mais do que prevenção ao uso de álcool e drogas, o denominador comum do encontro foi o vínculo gerado entre alunos e professores, resultado de empatia, escuta atenta e confiança.

Após a troca de iniciativas, os professores realizaram uma “roda de gratidão” e, emocionados, compartilharam as experiências de sala de aula e os desafios da educação.

Professora-doutora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e Coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Saúde e Uso de Substâncias (Nepsis), Ana Regina Noto é a fundadora da iniciativa. “A proposta é quebrar estigmas, entender o outro e aproximar o jovem, e não afastá-lo”, explica. “O objetivo é entender que há outras formas de prevenção, com um olhar cuidadoso que possa tratar o sistema como um todo: aluno, escola, família e comunidade”.

Você sabia?

A população universitária apresenta alguns dos mais elevados níveis de consumo de bebidas alcoólicas. A proporção de universitários que consome álcool (60,5%) é maior que a de estudantes do ensino fundamental e médio (21,1%) e também do que a população geral brasileira (38,3%).

FONTE: Campanha educativa sobre álcool e outras drogas: ampliando o conhecimento na comunidade; São Paulo, Centro de Integração Empresa-Escola: CIEE, Núcleo de Pesquisa em Saúde e uso de substâncias – Nepsis, 2018.