Inicio do conteúdo site.
Jovem agachado no campo segurando um punhado de terra na mão enquanto olha para ela.

Programa Aprendiz Legal ganha curso voltado a agronegócio

11 de junho de 2019
Jovens ganham mais oportunidade de capacitação voltada a um setor que é uma das locomotivas da economia brasileira.

O agronegócio é um dos principais motores da economia brasileira. Nos últimos 10 anos, foi responsável por cerca de 21% do PIB e contribuiu para que a balança comercial alcançasse saldos positivos. Mais do que ajudar o país a crescer, o setor é responsável pelo fornecimento de insumos que estão presentes no dia a dia dos brasileiros. Mas para manter o protagonismo, o agronegócio luta contra constantes desafios.

A expansão territorial é um exemplo disso: entre 1985 e 2017, a área de agricultura praticamente triplicou no país, enquanto as pastagens aumentaram 43%. A tecnologia mudou o cenário do campo, entretanto, os avanços têm enfrentado uma dificuldade peculiar: “Os jovens abandonaram o campo. Hoje, nós temos jovens que trabalham no campo, mas que moram na cidade. O campo praticamente como era no passado, onde a gente tinha aquelas colônias nas fazendas para trabalhar nas usinas ou em qualquer outro ramo do agronegócio já não existe mais. E isso teve um problema muito sério nos anos 2004… 2002 a 2012, quando o setor teve um boom muito grande. A concorrência dessa mão de obra era muito grande. Um número razoável de empresas não se preocupam muito com a qualificação de menores. Preferem já contratar profissionais já qualificados e isso é um erro de gestão empresarial muito grande”, conta José Darciso Rui, fundador da Gerhai.

A agronegócio e o CIEE

Pensando em revolucionar a formação de novos talentos para o campo, o CIEE passa a oferecer o programa Aprendiz Legal em Agronegócio. Mas antes de abordar o funcionamento desse programa, vale conhecer um pouco mais o trabalho do CIEE: O Centro de Integração Empresa-Escola é uma instituição de assistência social, de caráter filantrópico, sem fins lucrativos e sem vinculação com governos ou com o Sistema S.

Há 55 anos, o CIEE atua na inserção de jovens em programas de estágio e aprendizagem em todo o país. Cinco milhões de brasileiros já foram beneficiados até aqui. 500 mil deles foram aprendizes. O trabalho da instituição foi decisivo para disseminar essa modalidade de contratação. E, assim, consolidou no país a cultura do estágio e da aprendizagem.

O programa Aprendiz Legal

O programa Aprendiz Legal é uma parceria do CIEE com a Fundação Roberto Marinho que tem dado excelentes resultados. A iniciativa combina a expertise do desenvolvimento de materiais didáticos da fundação com a estrutura e capilaridade da instituição. Hoje, os aprendizes estão em indústrias, restaurantes, escritórios e no comércio. E agora, uma nova frente está aberta em direção ao campo.

Com o programa Aprendiz Legal em Agronegócio o jovem será preparado em três etapas: na primeira, vai passar por um treinamento intensivo no CIEE. Aprender noções básicas, como postura profissional, relacionamento com líderes e segurança do trabalho. Depois, começa suas atividades práticas na empresa e participa de encontros direcionados ao desenvolvimento do seu protagonismo e cidadania.

As frentes de atuação do programa

A terceira fase de capacitação é voltada ao treinamento do aprendiz para atuar em três frentes: trabalhadores da cana de açúcar, mecanização agrícola e apoio à agricultura. Cada uma dessas fases tem conteúdo técnico específico à posição que o estudante vai ocupar. E o que é melhor: o gestor ou empresa que contratar esses jovens terá toda a estrutura do CIEE montada para implantar o programa, com polos de capacitação, tecnologia, pessoal dedicado à administração dos contratos e também assistentes sociais para apoiar as empresas, os aprendizes e seus familiares.

A procura por novos talentos existe e chegou a hora de aproveitar a oportunidade. “É muito mais fácil você formar um jovem do que você contratar uma pessoa já formada para tua empresa. O custo benefício é bem melhor com o jovem”, analisa José Darciso Rui, fundador da Gerhai. Já Felipe Rios Soares, gestor de RH da Biosev conta que “a gente necessita de um curso voltado para o agronegócio. Cerca de 66% dos nossos colaboradores aqui da Biosev está dentro da área agrícola. 35% dos nossos jovens aprendizes são efetivados dentro da empresa”.

Jean Fábio da Silva, supervisor de produção da Biosev, deixa o convite aos jovens: “Venha conhecer a mecanização, venha conhecer a área de tratos. Venha ver o quanto de oportunidade que as empresas têm”.

Se você tem entre 14 e 24 anos incompletos, e estar estudando ou concluiu o Ensino Médio, conheça o Aprendiz Legal: