Inicio do conteúdo site.

Professor Miguel Reale, personalidade plural

26 de abril de 2019
Na expressão de Celso Lafer, ele ‘nunca foi um homem de uma nota só’

por Ruy Altenfelder* 

Há quase nove anos, em abril de 2010, a Universidade de São Paulo (USP) promoveu seminário internacional em homenagem ao centenário do professor Miguel Reale. Tive o privilégio de apresentar trabalho enfocando a obra do saudoso mestre e que reapresento em homenagem aos jovens que estão ingressando nas Faculdades de Direito.

Convivi com Miguel Reale desde a década de 70, ele como presidente do conselho de administração das empresas que compunham o Grupo Industrial Moinho Santista (hoje Bunge Brasil) e da Fundação Moinho Santista, eu como diretor e conselheiro das empresas e conselheiro da Fundação. Aprendi a admirar o jurista, o filósofo, o professor, o político, o poeta, o escritor, o pater familias e o administrador.

O professor Reale dava-nos lições preciosas, ensinando que a riqueza não está na quantidade de bens, mas no menor número de necessidades. Incentivava sempre o exercício da cidadania, dizendo que, na natureza, quando um ciclo fechado de dar e receber se desequilibra, logo vêm a morte e a destruição, e assim é também na sociedade.

Ensinava que os verdadeiros líderes são aqueles que resumem o sentimento geral da comunidade; os que simbolizam, legitimam e fortalecem o comportamento de acordo com esse sentimento; que permitem que os valores conscientes compartilhados pela comunidade surjam, cresçam e sejam transmitidos de geração em geração; permitem que aconteça o que está querendo acontecer. Inobstante, enfatizava que o mundo das palavras e das ideias sempre foi infinitamente mais intrigante do que a mecânica dos negócios.

Nas nove décadas de sua profícua existência o professor Miguel Reale destacou-se como administrador e gestor criativo, competente e enérgico. Em meados da década de 1970 nascia a governança corporativa como um sistema de gestão que compartilha o processo de avaliação empresarial e a decisão, que o professor adotou na presidência da Fundação Moinho Santista e no grupo industrial que presidia.

Governança é o resultado de uma profunda mudança no ambiente empresarial. É uma necessidade da sinergia dos órgãos da administração de uma sociedade ou instituição: conselho de administração, conselho consultivo, conselho fiscal, auditoria interna e externa e gestão executiva.

Em 1942 Miguel Reale foi nomeado membro do Conselho Administrativo do Estado, cargo que exerceu até 1944. Exerceu a árdua função ao lado de homens notáveis como Goffredo Teixeira da Silva Telles, Cyrillo Junior, José Adriano Marrey, Arthur Whitaker, César Costa e Antonio Feliciano. O administrador fez-se presente ao imprimir dinamismo à instituição integrada pelo Estado e cerca de 300 municípios.

Em 1943, por meio de uma alteração legislativa, fez a Universidade de São Paulo ganhar uma autonomia que não tinha. Até então o reitor era vinculado ao secretário de Educação do Estado. Com a alteração, a USP foi transformada em autarquia diretamente ligada ao governador. Passou a gozar de autonomia.

Em 1947 Reale foi secretário da Justiça do Estado de São Paulo, quando criou a primeira assessoria técnico-legislativa do País, para racionalização dos serviços legislativos. Administrador criativo, implantou o Departamento Jurídico do Estado, distinto da Procuradoria da Justiça. Em todas essas funções, além das tarefas estatutárias, imprimiu uma dinâmica tal que todos os setores da instituição se conheciam e se falavam, sob o seu comando.

Na Reitoria da USP revelou seus dotes de administrador. Ao assumi-la, em 1949, instalou os primeiros institutos oficiais de ensino superior no interior do Estado, a começar pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Implantou o curso noturno e a igualdade de vencimentos dos professores. Partindo do princípio de que no Brasil a universidade não se pode limitar a dar aulas e realizar conferências e cursos, passou a promover serviços externos, de natureza cultural.

Na segunda gestão à frente da USP (1969-1973) introduziu a reforma universitária e a definitiva organização dos câmpus da capital e mais cinco do interior. A antiga Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras foi desmembrada. O administrador austero, aberto ao diálogo e firme nas decisões conquistou a simpatia, o respeito e a confiança de seus pares e alunos.

Na Fundação Moinho Santista, o professor Miguel Reale presidiu o seu conselho administrativo. Além de aperfeiçoar o estatuto da entidade, modernizou o regulamento do Prêmio Moinho Santista, que tem por objetivo incentivar o desenvolvimento das ciências, das letras e das artes, a ponto de receber elogios da Unesco e da Fundação Nobel.

Como curador dos prêmios, testemunho a permanente cobrança de seu presidente para o cumprimento dos programas, metas e, principalmente, orçamento, definidos no planejamento estratégico.

Na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) também se fez presente a influência do professor Miguel Reale. Em 1988 sugeriu a criação de um núcleo de pensamento das ciências políticas e sociais. Nascia assim o Conselho Superior de Estudos Avançados (Consea), no âmbito do Instituto Roberto Simonsen, do qual, desde sua constituição, foi um dos mais respeitados integrantes.

Por tudo o que foi exposto, nada mais preciso do que a citação “personalidade plural”, criada pelo professor Tércio Sampaio Junior para apresentar Miguel Reale na cerimônia em que lhe foi outorgado o título de Professor Emérito da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. E a expressão do professor Celso Lafer proferida na abertura do seminário: “O professor Miguel Reale nunca foi um homem de uma nota só”.

 

*  É presidente emérito do Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE. Advogado, Presidente da Academia Paulista de Letras Jurídicas (APLJ) e do Conselho Superior de Estudos Avançados (FIESP/IRS).

 

Artigo publicado originalmente no jornal  O Estado de S.Paulo em 25/04/2019. 


Mais posts com "Artigo"

Programa Jovem Aprendiz ameaçado
10 de outubro de 2018

Identidade Brasil
23 de julho de 2018