Inicio do conteúdo site.

Filmes, séries e livros com protagonistas negros

4 de junho de 2021
Você sabe qual é a importância do protagonismo negro? Seja nas telinhas ou no mundo do trabalho, a representatividade importa

A presença de atrizes e atores negros em papéis principais se tornou mais comum, mas ainda está longe do ideal. Mesmo que o contexto dos conteúdos não seja apenas a respeito do racismo e sobre toda a luta negra, a importância de termos este grupo que é tido como sub-representado protagonizando filmes, séries e livros, é tamanha. 

Nas narrativas internacionais ou até mesmo em território nacional, historicamente, essa representação era pouca e mesmo que houvesse um ou outro personagem negro, nunca eram protagonistas. No teatro, por exemplo, atores brancos praticavam o blackface, ato de colorir o rosto com carvão para representar pessoas negras e impedir a entrada delas nas companhias de teatro e até hoje, no Brasil, só tivemos cinco protagonistas negras em novelas.

Mais da metade da população brasileira é negra e, em apoio a esse protagonismo que é tão significativo, separamos alguns títulos que exemplificam e que apoiam essa representatividade.

Confira a lista que fizemos para você!

FILMES E SÉRIES

AmarElo – É Tudo Pra ontem

O documentário do músico e militante Leandro Roque de Oliveira, conhecido como Emicida, foi produzido pela Netflix em 2020. Ao mesmo tempo em que o lançamento do álbum “AmarElo” é divulgado, registros históricos sobre a negritude no Brasil e seus impactos, a história do rap nacional e a importância da população negra no desenvolvimento do país são algumas histórias que são contadas na produção, além disso, o rapper também homenageia personalidades negras no decorrer do documentário. Esse lançamento concretiza um dos primeiros shows de rap realizados no Theatro Municipal de São Paulo, alcançando assim um grande marco na cultura negra brasileira. Onde assistir? Netflix.

Classificação Indicativa: +12

Soul

O filme foi vencedor do Oscar 2021 como Melhor Animação e Melhor Trilha Sonora. O longa, uma comédia dramática produzida pela Pixar, conta a história de um professor de música negro que morre de forma precoce antes de realizar o seu maior sonho: tornar-se músico profissional de jazz. Assim como em produções com personagens reais, o mundo das animações também não possui tantos protagonistas negros e é exatamente por isso que Soul, atualmente, é um retrato importante nesta luta, pois mesmo que a temática do filme não entre diretamente em questões raciais, contribui muito para a representatividade. Inclusive, até os dubladores do desenho são negros, o que ressalta ainda mais essa ideia. Onde assistir? Disney +.

Classificação Indicativa: Livre

The Get Down

Ambientada no final dos anos 70, no Bronx, um bairro localizado na perifeira de Nova Iorque, o enredo da série acompanha um grupo de adolescentes negros. A produção musical da Netflix, The Get Down, possui duas partes disponíveis na plataforma de streaming com episódios  de até 93 minutos de duração que retratam o hip hop,  estilo musical e movimento cultural da época, bastante importante na cultura negra. Além da ficção, a série dá visibilidade para atores negros e latinos que, até 2017, eram pouco conhecidos. A produção, além de tratar de questões raciais e sociais, também aborda temas como machismo, intolerância religiosa e representatividade LGBTQIA+. Tem tudo a ver com diversidade, não é? Onde assistir? Netflix.

Classificação Indicativa: +16

LIVROS

O Pequeno Príncipe Preto

Você já ouviu falar do livro “O Pequeno Príncipe”?! Ele foi escrito para crianças, mas ao longo dos anos atraiu pessoas de todas as idades. Ele é conhecido por ensinar lições de vida importantes sobre amizade, empatia e amor de maneira simples e poética. “O Pequeno Príncipe Preto” é uma releitura do livro infantil do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, em que coloca como personagem principal uma criança negra. Pode ser tido como mais um exemplo de representatividade e em como ela faz diferença desde a infância. 

Classificação Indicativa: Livre

 

O ódio que você semeia

Starr, a personagem principal, mora em um bairro no subúrbio, mas estuda em uma escola cara e frequentada, principalmente, por pessoas brancas e ricas. Ela e seu amigo de infância, ambos negros, são parados por policiais e após um movimento brusco realizado por Khalil ao pegar uma escova de cabelo, o garoto é baleado e morto. A polícia alegou que acreditava que o jovem possuía uma arma. A história que, infelizmente, é muito comum em vários lugares do mundo, inspirou também um filme que mostra como Starr usou  o racismo e a violência policial que presenciou para encontrar na sua voz um meio de fazer justiça e de tentar evitar que essa história se repita.

Classificação Indicativa: +14

Compreender o quanto o protagonismo negro é importante pode ser um passo a ser dado a favor do combate ao racismo e uma oportunidade de entender melhor suas vivências. Você pode dar início a esse processo de aprendizado e conscientização a partir dessa lista, mas também é importante seguir buscando outros meios de entender sobre local de fala e representatividade. Não basta apenas não ser racista, é preciso ser antirracista.

Gostou do conteúdo? Então não se esqueça de compartilhar com a galera e de assinar a newsletter do Festival CIEE da Diversidade para receber tudo em primeira mão.