Inicio do conteúdo site.
tela do youtube com palestrantes
Antonio Jacinto Caleiro Palma e WIlson Carnevalli Filho, Custódio Pereira participaram do evento / CIEE

Evento do Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (FONIF) aborda a importância do compliance no terceiro setor

2 de julho de 2020
Especialistas demonstraram a aplicação de conceitos como governança corporativa e código de ética em instituições filantrópicas

O papel da governança corporativa e do compliance no terceiro setor foram tema de um webinar realizado pelo Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (FONIF) na última terça-feira, dia 30/06. O evento contou com a participação de Antonio Jacinto Caleiro Palma, palestrante, advogado, professor da FGV, sócio da Urbano Vitalino Advogados e presidente do Conselho de Administração do Centro de Integração Empresa Escola – CIEE, e Wilson Carnevalli Filho, especialista no INSEAD e KELLOG e sócio da Ekilibra Governança Integrada, com moderação de Custódio Pereira, presidente da FONIF e CEO da Associação Santa Marcelina.

“Tanto governança corporativa como compliance são temas muito associados apenas a empresas. Mas a verdade é que eles se aplicam também às atividades filantrópicas”, comentou Palma no início do evento.

Segundo Wilson Carnavelli Filho, a governança corporativa nasceu com o propósito de resolver a complexa relação entre investidores e a empresa em que investem. “Era uma forma de criar regras e estruturas para prestar contas de como o dinheiro investido estava sendo utilizado. Podemos ver que esse princípio se aplica também na filantropia”, explicou. 

“Mesmo que não se busque o lucro, o Conselho de uma filantrópica é formado por voluntários que são responsáveis pelas ações da entidade. Definir a governança e ter um código de ética e conduta é igualmente importante para a sobrevivência da instituição”, comentou Palma.  

Palma explicou também que, mais do que estabelecer um estatuto e criar normas, é preciso que os colaboradores da instituição tenham conhecimento da importância do compliance e da governança para a instituição. “No caso do CIEE, por exemplo, definimos que o superintendente Jurídico seria responsável pelo compliance e por fazer essa interface entre o Conselho e o dia a dia da entidade. É ele quem acompanha de perto os casos e traz novidades, sugere mudanças, acompanha os canais de denúncias… É o superintendente que faz esse meio de campo para que o órgão maior da entidade decida o que vai fazer”, explica. 

 

Você pode acompanhar o evento na íntegra aqui: 

https://www.youtube.com/watch?utm_campaign=envio_de_link_-_webinario_compliance&utm_medium=email&utm_source=RD+Station&v=VcUMcO9H9AI