Inicio do conteúdo site.

Um abismo chamado analfabetismo

8 de setembro de 2020
Pensar em soluções reais de educação é essencial para o avanço do Brasil

Com relação aos possíveis avanços econômicos e sociais do Brasil, temos que pensar em uma equação que considero a mais difícil de todas: como fazer nosso país sair deste abismo chamado analfabetismo.

No passado, havia o Mobral, sigla para Movimento Brasileiro de Alfabetização, que, funcionando de modo mais efetivo no intervalo aproximado de 1971 a 1985, mostrou-se de alguma forma eficaz na redução do analfabetismo, tendo, no período em questão, feito decrescer em cerca de 10% o número de analfabetos na população de 15 anos ou mais, segundo o IBGE.

Apesar das críticas que se fazia ao Mobral, é preciso hoje, mais do que nunca, voltar a pensar em soluções que apontem não só para a supressão do analfabetismo, mas para a criação, para o conjunto da população, de oportunidades reais de educação que nos façam progredir como nação.

Devemos dialogar com a sociedade a fim de encontrar uma forma que pode ser simples, por exemplo, utilizando o período noturno das escolas, pelo espaço de duas horas, para ensinar, a princípio, português e matemática.

Obviamente, oferecendo também kit lanche, pois não se pode imaginar que alguém estude sem ter uma condição mínima de alimentação.

Entendo que, após a obtenção de uma familiaridade com os números e as letras, conseguiremos avançar na questão da inclusão social, oferecendo cursos profissionalizantes de acordo com as diferentes aptidões.

Cabe a nós, gestores educacionais, buscarmos uma rota de ampliação das oportunidades educacionais tendo em vista a maior qualificação da mão de obra brasileira, e fazendo isso da forma mais objetiva e prática possível.

Hoje, temos exemplos de soluções pelo mundo afora em que podemos e devemos nos espelhar, pois nosso maravilhoso país tem tudo para proporcionar às próximas gerações o futuro com que sempre sonhamos.

José Luiz Farina é membro do Conselho Consultivo do Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE e presidente do Colégio Dante Alighieri.