Inicio do conteúdo site.
Moedas douradas posicionadas em um tabuleiro com marcações hexagonais que lembram um tabuleiro de jogo

Precisamos falar sobre captação de recursos

23 de agosto de 2021
Por que aprender a pedir para quem está disposto a doar ainda é um grande desafio para instituições sem fins lucrativos?

Em 2020, o capitão Tom Moore, veterano da Segunda Guerra Mundial, completou 100 voltas em seu jardim antes de seu 100º aniversário. O esforço tinha uma grande causa: arrecadar fundos para o NHS Charities Together, instituição com sede no Reino Unido que apoia o trabalho do Serviço Nacional de Saúde. Além de levantar quase 33 milhões de libras esterlinas para o combate à COVID-19, Sir Tom Moore encheu o país de esperança com a frase “Amanhã será um bom dia”.

A iniciativa do capitão é um dos exemplos de ações de captação de recursos que atingiram valores expressivos durante a pandemia. No Brasil, o Monitor das Doações COVID-19, levantamento realizado pela Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), mostra que, até o final de julho de 2021, foram doados mais de R$ 7 bilhões, sendo 73% para instituições de saúde e 20% para assistência social. Do montante, cerca de 90% vem de pessoas jurídicas.

Historicamente, situações emergenciais tendem a aumentar a mobilização em prol de uma causa. Mas, de forma geral, o brasileiro é solidário? De acordo com o Ranking de Solidariedade 2021, produzido pela Charities Aid Foundation (CAF), o Brasil ficou em 54º em uma colocação com 114 países. A pesquisa questiona se o entrevistado, no mês anterior à conversa, ajudou de alguma maneira um desconhecido, doou dinheiro ou fez algum trabalho voluntário. Como instituições do terceiro setor, dependemos do apoio da sociedade para ampliar o alcance dos nossos serviços e atender mais pessoas que precisam. Para muitas organizações, a captação de recursos é questão de sobrevivência.

Sabemos que os desafios são enormes. Estudo realizado pelo Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS) em 2015, mostra que 87% dos doadores não acham que se deve falar sobre doação, e ainda existe uma cultura baseada em caridade. Para completar, o Brasil ainda tem uma legislação que não beneficia o doador.

Durante cursos e palestras sobre o tema, sempre reforço que se soubermos pedir, as pessoas estarão dispostas a doar. Para isso, é fundamental que a instituição tenha credibilidade e invista em transparência, comunicação e tecnologia. E o mais importante: o departamento de captação de recursos não é toda a organização, mas toda a organização é o departamento de captação de recursos. Engajar os colaboradores em prol da causa é o passo número um para um projeto bem-sucedido.

Por último, vale reforçar a necessidade da profissionalização do setor. Ainda temos uma discrepância enorme em nossas entidades, algumas com departamentos estruturados de captação e a maioria ainda tentando organizar as atividades. Diante das especificidades da legislação brasileira e a resistência da sociedade em contribuir com a nossa causa, precisamos investir na formação de profissionais com as habilidades e competências necessárias para o trabalho.

Custódio Pereira é presidente do Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (FONIF).