Inicio do conteúdo site.
Mulher em pé sob perspectiva futurista, com mistura de cores ao fundo
Imagem ilustrativa / Divulgação

Futuro do trabalho ou trabalho do futuro: o saber do agora nas relações profissionais

26 de abril de 2021
Pesquisadora Ligia Zotini participa de webinar e diz que é impossível saber o que vai ocorrer da massificação das tecnologias

Você já ouviu falar sobre o ‘saber do agora’? Buscando um aprofundamento sobre o termo e tudo que ele implica, foi realizado um webinar com a pesquisadora Ligia Zotini, fundadora do Voicers. A mediação foi da supervisora de Conteúdos Integrativos do CIEE, Aline Mariano.

“Todas as falas do futuro começam no presente. A presença e a visão é do agora”, iniciou Ligia em sua fala. Segundo ela, ideias que movimentam o presente tem potencial para modificarem também o futuro. “Quando as redes sociais foram criadas, jamais imaginaríamos que as pessoas iam ganhar dinheiro com story do Instagram ou com grupos fechados no Facebook”, exemplificou.

Ligia explicou que é impossível saber o que vai ocorrer da massificação de determinada tecnologia. Por isso, muitas carreiras que existirão nos próximos cinco ou dez anos ainda não foram inventadas. A crescente tecnologia empregada nas relações pessoais pode desenvolver perspectivas profissionais em áreas ainda desconhecidas, como designer de experiências virtuais.

Camadas de realidade de imersão no cotidiano também serão frequentes, com o uso de dispositivos que exploram essa possibilidade, como celulares e tablets. Se por um lado os avanços tecnológicos sugerem impessoalidade pela influência da inteligência artificial, Ligia acredita que haverá grande demanda de profissionais que se dediquem à humanização das marcas e identidades das organizações, como forma de individualizar o atendimento a cada cliente. 

Virtual e físico devem coexistir, e engana-se que a existência de um vai extinguir o outro. “O mundo virtual é muito bom, mas não substitui o mundo físico. No virtual não tem cheiro, não tem gosto. Não é um ou outro, é um ‘e’. É uma ajuda, é democratizar”, analisa Lígia. Antes de pensar nas mudanças e experimentar o que está para vir no futuro, ela pede que as pessoas “vivam no presente o sabor do agora”, e complementa: “As pessoas têm responsabilidade de se autodesenvolver”.

Confira como foi o webinar?


Mais posts com "o futuro já começou?"