Inicio do conteúdo site.
Aprendizes participam de treinamento em parceria com o Google no Teatro CIEE
Aprendizes participam de treinamento em parceria com o Google no Teatro CIEE / Edith Schmidt/Divulgação CIEE

Seja Incrível na Internet: aprendizes recebem treinamento em parceria com o Google

17 de fevereiro de 2020
Ações foram realizadas nas regiões Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Norte, impactando 80 mil jovens

Na internet, nem tudo é meme. Como forma de alertar sobre comportamento na rede, promovemos em parceria com o Google o treinamento Seja Incrível na Internet para aprendizes das regiões Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Norte.

Golpes e armadilhas do cotidiano, como fake news e phishing também foram abordados pelos instrutores Angélica e Danilo. O treinamento foi realizado no Teatro CIEE, em São Paulo e em mais de 200 polos de aprendizagem, impactando 80 mil jovens.

“Sua vida na internet não é algo apartado, separado de você mesmo. Por exemplo, sabemos que para o jovem a carteira de motorista é uma conquista. Depois de várias provas, a vontade é de fazer um post, mostrando para todo mundo que conseguiu. Assim, acabam expondo dados pessoais de maneira aleatória, o que representa um risco à privacidade”, disse Angélica.

“Tudo que postamos fica armazenado por tempo indeterminado. Muitas vezes postamos assuntos que no futuro podemos nos arrepender. É preciso pensar e repensar os transtornos”, acrescentou Danilo.

De maneira prática, os aprendizes também tiraram dúvidas sobre como criar senhas que dificultem a ação de hackers. Os instrutores desaconselharam a utilização do mesmo código para diferentes contas.

“Senha é como uma chave. Alguém já viu a mesma chave abrir a porta do carro e a porta da casa? Não pode”, brincou Angélica.

Haters gonna hate (?!)

Outro tema apresentado foi o conceito de hater. Em um experimento social, os instrutores chamaram ao palco um voluntário, para declamar um poema e simular a postagem de um vídeo em uma rede social. Ao fim, parte da plateia vaiou. O fato gerou estranheza, mas fazia parte de um combinado entre os instrutores e os jovens. Em seguida, todos aplaudiram.

“Para ilustrar um pouco o que são os haters e como eles agem na internet, combinamos com parte da plateia para que vaiasse. Muita gente ficou sem entender, o que mostrou como é nosso comportamento ao perceber esse tipo de conduta na internet. Ficamos passivos, só observando”, disse Angélica.

Aprendizes aprovam

No fim da atividade, os aprendizes que estiveram no Teatro CIEE gostaram das dicas e reforçaram que vão levar o conhecimento adquiridos aos familiares e amigos.

“No caso dos haters e discursos de ódio, aprendemos o valor da empatia e de um jeito prático”, analisou Ingrid, de 18 anos, que planeja no futuro seguir carreira como comissária de bordo.

“A comparação com a vida real foi o que me chamou a atenção. Na internet precisamos nos comportar como se estivéssemos vivendo nossa vida, de fato. Sem exageros”, acrescentou Walter, que frequenta os encontros de capacitação no polo Liberdade.